Notícias

Exportações de calçados caíram 33% até julho

A expectativa de uma melhora nas encomendas do mercado externo foram frustradas em julho, conforme dados elaborados pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados). No mês de julho, os calçadistas brasileiros embarcaram 6 milhões de pares, que geraram US$ 48,78 milhões, quedas tanto em volume (-26,8%) quanto em receita (-43,6%) ante o mesmo mês de 2019. Com o resultado, no acumulado dos sete primeiros meses de 2020, as exportações somaram 49,13 milhões de pares e US$ 379,27 milhões, quedas 24,5% e 33,1%, respectivamente, no comparativo com período correspondente do ano passado. 

O presidente-executivo da Abicalçados, Haroldo Ferreira, destaca que alguns dos principais mercados internacionais para o setor calçadista brasileiro, caso dos Estados Unidos e Argentina, estão demorando mais para sair da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Ele destaca que o maior mercado estrangeiro para o produto verde-amarelo, os Estados Unidos, viu seu PIB despencar quase 33% no segundo trimestre do ano, uma queda histórica, e que o fato aponta para uma queda no consumo naquele país. “A expectativa é de que registremos uma queda de 30% nas exportações ao longo de 2020, tendo uma pequena melhora somente no último trimestre do ano, isso a depender dos resultados das principal feira internacional para o setor, a Micam Milano, que acontece no final deste mês”, projeta o executivo. 

Principal mercado internacional para o calçado brasileiro, os Estados Unidos foram destino de 4,97 milhões de pares, que geraram US$ 48,78 milhões nos sete primeiros meses do ano. As quedas foram de 31,1% em pares e de 36,8% em receita no comparativo com igual período de 2019. Somente no mês de julho, as exportações para os Estados Unidos caíram 28,2% em pares e 51,7% em receita no comparativo com julho do ano passado, alcançando 571,54 mil pares e US$ 9,32 milhões. 

Já a Argentina, segundo destino do calçado verde-amarelo no exterior, foi destino de 3,72 milhões de pares, que geraram US$ 37,8 milhões nos sete primeiros meses de 2020. As quedas foram de 19,9% em volume e de 29,8% em receita no comparativo com período correspondente do ano passado. O recorte de julho aponta que os argentinos importaram 536 mil pares por US$ 5,4 milhões, quedas tanto em volume (-54,9%) quanto em receita (-47,8%) ante o mesmo mês do ano passado. 

O terceiro destino do ano foi a França, mercado que teve recuperação em julho, com incremento de 123% em pares (619,58 mil) e de 5% em receita (US$ 7,3 milhões) ante o mês sete do ano passado. No acumulado dos sete meses, os franceses importaram 3,59 milhões de pares, pelos quais foram pagos US$ 32,4 milhões, quedas de 4,2% e de 2,3%, respectivamente, ante período correspondente do ano passado. 

Estados
Da janeiro e julho deste ano, o principal exportador de calçados brasileiros foi o Rio Grande do Sul. No período, os gaúchos embarcaram 12 milhões de pares por US$ 171,9 milhões, quedas de 29,2% e de 33,3%, respectivamente, ante o mesmo ínterim do ano passado.

O segundo exportador do período foi o Ceará. Nos sete meses, os calçadistas cearenses embarcaram 15,6 milhões de pares, que geraram US$ 89,95 milhões, quedas de 34,2% e de 39%, respectivamente, no comparativo com o mesmo período do ano passado. 

Com quedas de 12,4% em volume e de 33% em receita, São Paulo foi o terceiro exportador de calçados do ano. No período, os paulistas embarcaram 3,85 milhões de pares, que geraram US$ 39,6 milhões. 

Com uma queda menor, a Paraíba apareceu na quarta posição entre os exportadores brasileiros de calçados. Nos sete meses, os calçadistas paraibanos embarcaram 10,16 milhões de pares, que geraram US$ 33 milhões, quedas tanto em volume (-2,6%) quanto em receita (-12,3%) ante igual período de 2019. 


Importações asiáticas aumentaram 

Ferreira chama a atenção que, mesmo com as importações totais registrando leves quedas em julho (de 1,7% em volume e de 6,5% em receita), as oriundas dos países asiáticos seguem em alta. 

Em julho, foram importados 1,98 milhão de pares por US$ 31,54 milhões, quedas de 1,7% e de 6,5%, respectivamente, ante o mês sete do ano passado. Já Vietnã, Indonésia e China, que juntos respondem por mais de 80% das importações de calçados, registraram incremento de 6,6% nas suas exportações para o Brasil no mesmo período. No mês sete, foram importados 1,74 milhão de pares desses três países. O destaque ficou para a China, que registrou um incremento de 69,4% ante o mesmo mês de 2019, somando 414 mil pares, o que indica que pode haver uma avalanche de produtos chineses nos próximos meses. “O quadro tem um potencial ainda mais dramático se levarmos em consideração o fim do prazo da aplicação do direito antidumping contra o calçado chinês, em março de 2021. É importante que o setor esteja unido em busca desta renovação e ampliação - para Vietnã e Indonésia - junto ao Governo Federal”, comenta Ferreira, ressaltando que a produção chinesa está a pleno vapor e “precisando distribuir seus produtos no mercado internacional”. 

Acumulado
Nos sete primeiros meses do ano, entraram no Brasil 14,7 milhões de pares, pelos quais foram pagos US$ 189,65 milhões, quedas de 16,7% e de 11,6%, respectivamente, ante o mesmo período de 2019. Do Vietnã, foram importados 6,1 milhões de pares por US$ 109,4 milhões, queda de 6,9% em volume e incremento de 2,1% ante 2019. Da Indonésia, entraram no Brasil 1,96 milhão de pares por US$ 34 milhões, quedas de 29,4% e de 22%, respectivamente, ante 2019. A terceira origem do calçado importado foi a China, de onde foram importados 5,12 milhões de pares por US$ 23,12 milhões, quedas em pares (-18,5%) e receita (-17,8%) ante o ano passado. Em partes de calçados - cabedais, solas, saltos, palmilhas etc - as importações somaram US$ 11,9 milhões nos sete meses, queda de 35,6% ante 2019. As principais origens foram China, Paraguai e Vietnã. 

Acesse as tabelas completas AQUI